Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

05
Abr13

O Homem de Sampetersburgo.

Terminei a leitura d'O Homem de Sampetersburgo de Ken Follett. Diz na contracapa que o mesmo desce como um martini bem preparado. Concordo. O livro é exatamente um martini, por isso mesmo nunca chegará a um champanhe de salutar. Ainda assim, lê-se com prazer e diverte, o que é já de si uma função importante na leitura. Ao mesmo tempo, O Homem de Sampetersburgo recorda A Vida num Sopro de José Rodrigues dos Santos. A fórmula é a universalmente partilhada: uma trama amorosa, um período histórico de relevo, um desenlace de costumes. Vale a pena pela forma trágica como conduz os acontecimentos sem clichés de fairy tails.