Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

14
Out13

As Lacunas da História.

O meu lado A, que versa sobre a história religiosa, compreende bem o que João André alude. Sem adentrar pelas questões da história moderna europeia, as quais são terreno arado por Rui Bebiano, merece a minha consideração as lacunas da formação em história no Ensino básico e secundário e, bem assim, a construção do discurso da história. Devedora das teorias evolucionistas e da noção de «sociedades sem história» a História enquanto disciplina é profundamente facciosa e parcelar. Ao estudarmos as grandes civilizações jamais se adentra pela "África Negra", deixando de fora, por exemplo, os Impérios Songhai e Yorùbá. Portanto, quando se forma alunos em história universal, esta deve de facto ficar em itálico como conceito duvidoso, porque o universalismo da história centra-se na Europa e vai até ao Egipto e volta. O mesmo deve ser dito para o ensino das américas e das navegações de expansão marítima ibérica. Jamais os alunos ficam a conhecer os povos ameríndios, o processo de colonização, a escravatura, as identidades dos povos escravizados. Os processos de criação dos manuais escolares em Portugal está ainda presa aos métodos do Estado Novo, isso é bem claro.