Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

19
Out13

M'espanto às vezes, outras m'avergonho.

Apetece-me dizer "M'espanto às vezes, outras m'avergonho" dos órgãos de soberania nacional. Já fiz questão de dizer que há um projeto de empobrecimento generalizado bem traçado. A destruição da classe média e a revitalização do modelo de sociedade do Estado Novo, em que um grupo privilegiado detém o capital e uma grande massa operária é fator de produção sobre o qual se edificam os anteriores; uma massa mal paga, precária, mas humilde e conformada. Pedro Passos Coelho já fez questão de afirmar que mesmo sem as grilhetas da troika esta seria a estratégia deste governo. Portugal, a reboque de um modelo europeu revivalista do pior lado da industrialização, tem no seu governo um fiel defensor do desmantelamento do Estado Social, da mobilidade social e das possibilidades de uma sociedade democrática. O governo não negoceia com a troika porque esta lhe serve bem os propósitos. As conquistas dos últimos anos estão propositadamente a ser depositadas numa incineradora. E quando Durão Barroso, altamente conivente com esta política europeia e portuguesa, se candidatar a Presidente da República convém que as pessoas se lembrem de que ele foi um dos que nos empurrou para o abismo quando estávamos a olhar o precipício.