Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

21
Nov13

O Género de Deus e da Igreja.

--- O Fresco da Discórdia ---

 

De Hadad a Baal até El e Javé, as andanças sobre a definição de Deus na área que viria a formar o judaísmo são tremendas. O caldo sociocultural que fermenta a noção da «Divindade» opera numa lógica personalística de um Deus em «tu», um Deus de correlação, o qual vai sendo passo a passo antropomorfizado. Entre o judaísmo e o cristianismo vão-se fabricando modelos de sociedade alicerçados numa noção do «sagrado masculino». A ruptura com o elemento feminino, tipo das demais culturas circundantes representa também um instinto de autopreservação de uma sociedade patriarcal. O Deus-Pai é o garante de uma organização social onde o poder é detido pelos homens. Por isso, notícias que tendem a reconfigurar o Cristianismo numa lógica original, isto é, que deslocam o olhar para um Cristianismo Primitivo amplamente mais dinâmico e integrativo, um Cristianismo que valoriza a humanidade como um todo e que não faz género em matéria de sacerdócio, tendem a ser prontamente desmentidas e desacreditadas. É a distância que vai entre Maria Madalena apóstola e Maria Madalena a prostituta.