Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

03
Jul15

A Grécia e a UE ou "nós e eles"

 Um dos principais problemas da chamada "zona euro" foi ter concebido, tragicamente diga-se, os seus membros a partir da ideia de equidade económica. À boleia de um projeto unificador foi-se alimentando uma utopia que não tardaria a desmoronar-se e a traduzir-se num caos que é hoje o pano de fundo da região. Ao nivelarem-se os países pela principal potência económica e assim política, a Alemanha, criou-se a perceção de que se caminhava em igual ritmo. Que terrível engano! Ora, não só se deterioraram os ideais europeus gerados desde o pós-segunda guerra, a reboque de uma situação económica e financeira insustentável derivada, como sabemos, de uma política de austeridade cujo principal objetivo é o enriquecimento do sistema bancário alemão, como se abriu uma nova ferida sob cicatriz há muito fechada. Há dias, a propósito do referendo grego, dizia um cidadão helénico que "a Europa tem medo do referendo". Este discurso "nós, eles" encontramos, igualmente, em Portugal:  "Na Europa...". Isto é sinal de que o projeto europeu está ainda por ser realizado. É sinal, ainda, de que é impensável manter a Europa unida, sem um clima de desconfiança que conduziu às duas grandes guerras do nosso tempo, sem uma política de integração, cooperação e diálogo reais, onde os ganhos da "mão invisível" não sejam o motor da interlocução. O horizonte é que "nós, os europeus" se torne "Nós e os europeus". 

2 comentários

Comentar post