Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

29
Fev16

A igualdade devia ser um não-assunto

Fui e serei a favor do casamento, da adoção e de todos os direitos devidos aos casais homossexuais. A defesa do contrário -- ainda que respeite -- diz diretamente respeito a um modelo de sociedade edificado sobre ideais religiosos. Nesse sentido, o garante constitucional dos direitos inalienáveis dos casais homossexuais é um passo importante para a afirmação da pluralidade social e da democracia, porque uma verdadeira sociedade democrática é aquela onde todos têm lugar, e onde as opções sexuais não são nem podem ser patologias, nem ficar ao abrigo de uma ideia de "comportamentos desviantes", noção que confunde pluralidade de género com criminalidade. 

No entanto, há, para mim, uma diferença entre igualdade necessária, ao ponto de a opção sexual, de religião, política ou desportiva se tornam em "não-assuntos" sociais, e empowerment gay ou outro qualquer. Em sociedade laicas, plurais e democráticas as identidades dizem respeito aos sujeitos, não ao coletivo. Fazer da diferença uma arma ideológica é tão perigoso e nefasto para a frágil pluralidade social quanto o reforço de um ideal de mainstream. Acredito que a maturação democrática tornará as marchas pelos direitos LGBT ou de "minorias" raciais em algo desnecessário ou meramente lúdico-carnavalesco, cujas proporções poderiam traduzir-se num volta-face do empowerment social. Basta pensarmos que no seio do Chelsea FC, clube londrino anteriormente treinado (por duas vezes) por José Mourinho, irá nascer uma claque gay como forma de difusão da igualdade. Ora, isto não é, de modo algum, um reforço da igualdade, mas antes da descriminação. Das duas uma: ou a atual claque do Chelsea é homofóbica ou a futura será heterofóbica, seja como for nenhuma abona a favor da igualdade. A sociedade que se quer construir é aquela onde tais questões se tornam vazias, desnecessárias, e não antes onde o dado adquirido se torne objeto de permanente celebração. A escolha do arco-íris como emblema da causa LGBT foi extremamente feliz porque reforça a pluralidade como facto social, não como assunto fraturante. 

"E naquela casa, que ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias".

Email | Blog Académico | Página Pessoal 

OS MEUS LIVROS

p-imdv.jpg

O livro está disponível para download aqui. COVER ULHT.JPG O livro está disponível para download aqui O livro está disponível para aquisição aqui O livro está disponível para aquisição através do email correio@cpcy.pt

UNS TANTOS