Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

21
Abr15

A Obra de Passos Coelho

14.04-passos.jpeg

Passos Coelho tem um lamento: o de não ter sido capaz de tornar a mão-de-obra mais barata para as empresas. Não é uma presunção, é ele mesmo que o diz, durante o debate quinzenal. Não restam dúvidas - se tais houvessem - ao serviço do quê e de quem se encontra este governo. O capital é quem mais ordena, vamos vendo, ouvindo e lendo. O "aguenta aguenta" que Ulrich deixou escapar não foi um deslize, foi uma afirmação segura de um modelo de pensamento e de gestão que pauta Portugal e o mundo. Sobre os cidadãos recai o dever de carregarem às costas, de bolsos vazios, os bancos e as grandes empresas, financiadores de campanhas em tons laranja e azul pseudo-católico e garantes de futuros amanhã a reclamar. Há lugares marcados para quem é "bom menino" e faz o que lhe mandam fazer.

Está, portanto, caro o emprego para as empresas, senhor Primeiro-ministro. Folgamos em saber o seu (salvo-seja, que mesmo para isso é preciso tê-lo) raciocínio. Pobres empresas, diria o senhor, que para terem trabalhadores são obrigadas a pagar-lhes. Bons eram os tempos do trabalho servil, de sol-a-sol, de chibata na mão. Ah, a nostalgia da escravatura. Só pode ser mesmo isso, levando em conta que o trabalho é, em média, pago a 581€ mensais. Uma exorbitância, portanto!

1 comentário

Comentar post