Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

25
Mai14

Abstenção, Voto em Branco e Sistema de Voto.

ABSTENÇÃO. Hoje é dia de ir às urnas. Mas não todos. As longas filas, a procura de um lugar de estacionamento e a existência de um mero dia para o exercício do voto tornam a abstenção apelativa. Todavia, a abstenção pode, como já escrevi antes, ser considerada uma tomada de posição. Ora, precisamente porque a abstenção pode e dever ser tomada como um sinal de que os partidos políticos - que se multiplicam como cogumelos - não merecem a confiança do eleitorado, esta deveria ter um valor muito mais efetivo. A abstenção não deve figurar como popularmente se diz "quem cala consente", mas antes como um claro protesto. 

VOTO EM BRANCO. A afirmação corrente de que "eles são todos iguais" transparece a fabricação taylorizada de políticos através das jotas e dos corredores partidários. Transborda para a praça pública que a atividade política mais do que pouco séria é um lugar para favores, compadrios e interesse, numa lógica em que "uma mão lava a outra" entre Parlamento, banca e outros setores privilegiados. Tudo isto é razão mais do que suficiente para ter na abstenção um voto tão lícito quanto em A ou B. Não o é pela simples razão de que a abstenção como esta é assumida interessa, e muito, ao status quo do modelo democrático atual. A totalidade dos votos que elegeu o atual governo não chegaria para num grupo recreativo aprovar as contas correntes ou eleger o seu presidente. E se a abstenção não poder contar recorra-se ao voto em branco, fazendo deste um voto real, que ultrapassando o valor do vencedor imponha uma nova votação e com novos candidatos. 

SISTEMA DE VOTO. O voto exclusivo nas urnas é um produto de um tempo em que o digital não existia. Hoje, numa época em que o cidadão trata de todos os assuntos online a existência de um portal do eleitor não é um luxo é um imperativo. É a democratização do voto a impor-se, a possibilitar ao cidadão votar quando está longe, quando a deslocação às urnas é um gasto que dificulta a vida ou um tempo que se consome e cansa. O portal do eleitor é a democracia à distância de um clique.