Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

24
Jan14

Da Caixa de Comentários...

... saiu uma excelente reflexão da Blackened, em comentário ao postal sobre a abstenção, que impõe transcrição: 

 

Acabada de chegar à maioridade, não votei nas últimas eleições autárquicas. Primeiro, por impedimento da própria lei: para prosseguir estudos, mudei-me para outro distrito. Para votar teria que requerer o voto antecipado, que obrigava à comprovação a minha situação. Acontece que os prazos estipulados por lei revelaram-se demasiado curtos, relacionados com os prazos estipulados pelo Ensino Superior. Segundo: no meu concelho, só existiam dois candidatos (ambos já outrora presidentes da câmara mal sucedidos, a meu ver). Mesmo que pudesse votar, qual seria a minha liberdade de escolha?

A Constituição da República Portuguesa não valoriza o voto em branco nem o voto nulo como forma de transmissão de uma mensagem de falta de identificação ou descontentamento com o regime político. Estes dois tipos de votos não têm influência (directa) nos resultados das eleições. Apercebo-me, então, que o sistema democrático nunca poderá ser democrático. A liberdade de escolha não existe. Existe, sim, uma ilusão de escolha. Note-se que nas legislativas de 2011, os portugueses deram 13% dos votos ao CDS-PP e, actualmente, este mesmo partido tem grande influência nas decisões governamentais. Só por aí, pode-se considerar que o actual Governo é ilegítimo. 
Basicamente é assim que vejo as coisas: cria-se uma "renhida" batalha entre dois grandes partidos oponentes (no nosso caso, o PSD e o PS), abafa-se os partidos menores, ou seja, menos financiados (e não é possível aos grupos independentes candidatarem-se às legislativas. Logo aí, um movimento livre de cidadãos tem as "pernas cortadas"), o eleitor médio, pouco informado e facilmente manipulável, acredita no seu poder de escolha, um Governo é eleito, para depois, "lá dentro", as estratégias políticas e os jogos de poder partidário desobedecerem à "vontade" do povo. Digo "vontade", pois não acredito tratar-se de uma vontade genuína, mas de uma vontade assimilada. Um povo ignorante, pobre e pouco saudável é fácil de governar, como bem se sabe.
O sistema molda-se, passo a passo, consoante as necessidades do grupo que está no poder. O nosso comportamento não evoluíu substancialmente: continuamos a organizarmo-nos por hierarquias. Enquanto uns lutam para atingirem o poder, outros lutam para manterem o seu poder.
Agora, ponho-me a pensar: jovem como sou, sempre interessada no curso político e social quer do meu país quer do mundo, revoltada com a imposição sistemática de um modo de vida, no qual não tive qualquer decisão, qualquer escolha, mas esperançada e motivada em trabalhar por um mundo melhor (parece cliché, bem sei), que posso fazer ? No que depender de mim, contribuirei o menos possível para esta plutocracia. Colocar-me-ei fora do sistema, pois só assim tenho poder para criticá-lo. Se votar num partido não muda nada, votar em nenhum não muda nada (a única coisa que demonstra é que me insiro, por vontade propria, dentro de um regime social mal estruturado), só vejo a abstenção como solução para impor a minha posição como cidadã ideologicamente independente.
Portanto, só posso concordar com este seu texto e dar graças por o ter lido. É que sempre que tento explicar esta minha atitude, recebo duras críticas. A lógica é que quem não vota, não se pode queixar. Mais uma vez, uma lógica assimilada, uma lógica (ilógica) conveniente, que ofusca livres pensadores. Acredito que a abstenção poderá ser um "encostar à parede" - "Nós não votamos, logo, não há poder legítimo para ninguém". Acho que seria uma forma cívica, evoluída e confiante de nos manifestarmos. O que eu vejo são manifestações simbólicas, pouco convincentes e já um tanto banalizadas. No fundo, as pessoas conformam-se com o inaceitável e resumem-se a uma vida centrada nelas próprias; "cada um por si". Não há muita crença na mudança, não há pensamento a longo prazo. É desmotivante para os jovens.

2 comentários

Comentar post