Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

16
Dez16

Dos direitos dos idosos

A criminalização do abandono de idosos acarreta um problema de difícil solução, ao mexer com histórias familiares. Por isso vale bem perguntar se todos os filhos têm o dever moral (primeiro que legal) de prestarem assistência aos seus pais. Vejamos duas histórias ficcionais que arrumam a questão. 
A) O senhor Artur dedicou a sua vida à família, trabalhando de sol a sol, até para além do que a força lho permitia, dando o máximo conforto e oportunidades que lhe foi possível aos seus 3 filhos, hoje todos formados e bem empregados. Nos seus 75 anos, com visitas inoportunas do Alzheimer, passa os dias no jardim, sozinho, desde que Maria Augusta faleceu. Jacinta há anos que não lhe visita ou telefona. Tem netos que nunca lhes viu o rosto ou sentou ao colo. Sente-se traído, depois de uma vida em prol dos seus.
B) Mário tem 68 anos. Trabalhou nas obras e em inúmeros biscates que vieram e foram. Acompanhou-se sempre do álcool, fiel amigo. Casou-se com Odete porque esta engravidou. Começou por se tornar violento com a mulher, depois com o filho Vítor, por fim virou-se para Margarida, a filha, violando-a sob a tutela do álcool. Hoje é um homem só, vencido pela culpa que me entregou um AVC. Os filhos e a ex-mulher não lhe falam há 20 anos. 

Estes dois cenários servem para pensar sobre os limites e os desafios do auxílio de idosos. Que dever têm os filhos do caso B? Que penalização devem ter os do caso A?