Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

18
Out17

Incendiar o governo (?)

 Este é um tempo de luto nacional, de pesar e de reflexão. Como em tudo é, também, um tempo de apurar responsabilidades. No entanto, os cenários devastadores de incêndio têm servido um arraial político e mediático em torno do governo de António Costa e da ministra Constança Urbano de Sousa. É preciso ver para além das intenções da PAF de regressarem ao poder, perceber todo um problema de fundo que caiu no colo, por circunstâncias extremas, do atual governo. É preciso compreender que uma parte destes incêndios foram derivados de negligência extrema e punível, de proprietários de terrenos que contando com a chuva realizaram queimadas. Precisamos ter presente a mão criminosa de interesses ligados à compra da madeira e à construção civil. Urge rever a lei, aplicando medidas penais mais violentas sobre os pirómanos, como a de crime lesa-pátria ou contra a humanidade. Esses problemas de fundo derivam, como sabemos e há intenção de se esquecer por parte da oposição, que não lhe quer ver imputadas responsabilidades diretas, de anos de abandono de políticas de proteção civil e planeamento florestal. Medidas orçamentais desde os governos de Cavaco Silva têm sido transversais a governos do PS e do PSD, e CDS, sem exceção, com a mesma responsabilidade. Extinção de postos de vigia florestal, diminuição de combate aos incêndios e outras calamidades (não podemos esquecer a cheias que ainda aí virão), desinteresse no combate à plantação de eucalipto e pinheiro, mão leve perante o crime de incêndio, promiscuidade com os interesses citados. Querer culpar em exclusivo o atual governo é uma manobra desesperada da oposição, incapaz de jogar o jogo político noutros terrenos. É preciso que se apurem responsabilidades, mas acima de tudo é obrigatório que haja um consenso nacional, inter-partidário, para que se tomem, de uma vez por todas, sem medos, com os devidos fundos, as medidas necessárias para requalificar a floresta e recuperar a vigilância florestal. Incendiar o governo para que o próximo faça igual, aliás como fez a coligação PAF, serve apenas para colocar novamente na cadeira os que ainda há pouco deixaram os lugares quentes.