Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

10
Mai17

No Porto, o ano do Dragão não chega

Jorge Nuno Pinto da Costa, intitulou a sua biografia Largos Dias Têm 100 AnosSão cem anos que vive um Dragão, mas a chama um dia extingue-se ou a desolação, como a de Smaug, um dia chega. E o fogo ardente cessa, porque na vida tudo tem um tempo, e apesar de largos, os dias que fazem os anos serem cem chegam ao fim. Não se extingue a vida do homem, do herói que fez do pequeno clube portuense uma grande potência desportiva europeia, que roubou a hegemonia do futebol português aos clubes da segunda circular, que se intrometeu na luta a dois e chegou a fazer do campeonato nacional coutada sua. A dívida de gratidão dos adeptos portistas não cessa, é eterna. Mas o tempo não se compadece com as nostalgias dos homens, e após quatro épocas sem qualquer título os sinais são por demais evidentes que a Era do Velho Dragão chegou ao fim, é tempo de um novo FCP. Já não são os treinadores que precisam ser mudados -- testaram-se demasiados sem sucesso -- é toda a estrutura diretiva do clube, sob pena de ver o clube voltar a afundar-se no regionalismo, na luta pelo pódio sem nunca alcançar o título. É preciso que o clube, em grave estado financeiro, deixe de ser um entreposto de jogadores e aposte forte e sério na formação, que compre barato para potenciar talentos desconhecidos, e que aposte numa organização sólida, com um diretor desportivo forte, com um treinador português talentoso (o problema não é Nuno Espírito Santo, em última análise ele pode ficar), e com um presidente com outra energia. É tempo de parar de fingir que está tudo bem.