Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

18
Set14

O dilema escocês: emoção e pragmatismo.

Quem conhece a Escócia e os escoceses sabe que para além de um país magnífico e de um povo simpático, o patriotismo gaélico não se coaduna particularmente com o sentimento alargado expresso pelo conceito de Reino Unido. Entre escoceses e ingleses há uma história tremenda cuja marca não foi apagada da memória coletiva das Terras Altas. A maioria dos escoceses sente-se escocês e não britânico, tendo pelos ingleses uma aversão maior que a nossa desconfiança pelos espanhóis. Para tanto, basta olhar a velha anedota escocesa do diálogo entre o Anjo Gabriel e Deus, em que Gabriel pergunta porque Deus está a colocar o melhor da criação na Escócia, e Deus lhe responde: "espera ver os vizinhos que lhes vou dar". Desse ponto de vista o "sim" tem uma larga aceitação. Mas a vida não é apenas nostalgia e emoção, há um lado prático ligado à geopolítica e acima de tudo ao equilíbrio financeiro e orçamental. Se é verdade que a Escócia é um país onde o turismo é fatia significativa do orçamento e onde há mais ovelhas do que pessoas, a verdade é que há sérias dúvidas sobre a sustentabilidade longe do balanço da coroa britânica. Não tenho, pois, posição definida, mas mais do que tudo desejo o que for melhor para aquele país que tanto gosto.