Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

16
Abr17

Porque salvaram Barrabás?

Nesta época os cristãos revivem os epósidos marcantes da vida, morte e ressurreição de Jesus de Nazaré. Um desses episódios relata a escolha popular por Barrabás, o "criminoso", em detrimento daquele que muitos aclamavam por Messias. Tal episódio é responsável por sentimentos de ansiedade e mágoa entre os mais devotos, uma espécie de culpa retrospetiva, uma condenação em jeito de "porquê?". No entanto, para se entender a escolha há que compreender o contexto histórico-cultural judaico de então. Entre os judeus, a figura do Rei David operava, e em boa medida ainda opera, como referencial tipológico de "messias". Num contexto em que os judeus se encontravam sob o jugo do Império Romano, opressor, cobrador de altos impostos e religiosamente distante, a figura do Rei David permitia estabelecer um horizonte de revolução, de quebra de correntes, de restauração de uma Jerusalém livre e prometida. Jesus, enquanto messias, não correspondia às caraterísticas do משיח (Mashíach) de Israel, o descendente de David, o líder guerreiro. Jesus trazia uma outra roupagem, uma mensagem baseada no reino dos céus, da paz, do amor. Nesse contexto, Barrabás reunia, de uma forma torta e imperfeita, predicados do herdeiro de David. Embora não reconhecido como messias, Barrabás dispunha-se a enfrentar o Império Romano, lançando uma série de ataques contra as forças do império, sendo provavelmente integrante do partido judaico de libertação. Não há dúvidas de que em contexto de opressão Jesus não representava o Messias ideal, pois não se dispunha a enfrentar diretamente o Império romano, mas antes oferecia uma mensagem de redenção, de vida eterna. A passagem em que afirma "dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus", contrapõe-se à disposição violenta e guerrilheira de Barrabás. Foi, então, mais fácil reconhecerem-se num homem cheio de imperfeições, mas disposto a lutar pela liberdade, do que num homem voltado ao espírito. 

"E naquela casa, que ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias".

Email | Blog Académico | Página Pessoal 

OS MEUS LIVROS

p-imdv.jpg

O livro está disponível para download aqui. COVER ULHT.JPG O livro está disponível para download aqui O livro está disponível para aquisição aqui O livro está disponível para aquisição através do email correio@cpcy.pt

UNS TANTOS