Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

16
Dez16

RAP e a mariquice

 Considero valoroso não se pertencer ao aborrecido mainstream. Não há açúcar em ser do mesmo clube, da mesma religião, vestir a mesma roupa ou ter a mesma orientação sexual que a maioria. É bom criar descontinuidade em algum momento ou aspeto das nossas vidas. Não é apenas pensar fora do quadrado, é sair dele. Agitar as coisas, portanto. 

Ora, quando se agitam as coisas é natural que o cinzento reaja ao laranja, nem que seja pelo destoar. E isso pode gerar extremismos. Não há coisa pior que o cinzento não permitir o laranja? Há, o laranja se tornar fundamentalista. Eduardo Pitta é um tipo ponderado e por quem tenho simpatia. Apressou-se a julgar as palavras e RAP e descambou para o azedume de espírito. Acontece. Eu que em certos dias até coxeio ligeiramente devido a uma queda não me afronto com sketchs como aquele. Lamento que EP o tenha feito.