Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

⊙ A Morada dos Dias

{ Horizontes. Olhares. Rumos Cruzados. Palpitações. Compassos dos Dias. }

20
Set17

A mudança de sexo aos 16 anos

 © TheFoxAndTheRaven

Ao contrário do que afirma Pedro Afonso, médico psiquiatra que, muito provavelmente, segue uma escola próxima àquela que considerou, durante décadas, as religiões não-cristãs uma patologia social, e os fenómenos de transe religioso casos de histeria ou esquizofrenia, a diversidade de género não remete para um ideologia. Mesmo que o psiquiatra não queira, o género é um dado natural, respeitante à natureza psico-emocional dos sujeitos. Em rigor, aquilo que a Antropologia nos tem dado a compreender, felizmente, é que o género tem sido condicionado, ao longo da história, por atavismos culturais. Ao contrário do que querem fazer crer os mais conversadores -- para quem a sociedade é concebida como estanque --, a apologia da liberdade sexual e da diversidade de género, não resulta de uma predisposição política eufórica da «esquerda» com fins eleitorais, muito menos com o propósito de "acabar com os rapazes e as raparigas", para citar Pedro Afonso. As palpitações deste batem ao ritmo da ala política evangélica brasileira, que por este dias conseguiu que a homossexualidade fosse considerada doença, coisa que, aliás, o psiquiatra português subscreve. Graças às ciências sociais, sabemos que as sociedades são mutáveis, reciclam-se, ressignificam-se, que as tradições são invenções com fins de instituir uma dada memória coletiva, uma determinada ideologia ou narrativa mítica. É, pois, graças a séculos de um modelo político-ideológico judaico-cristão que o género tem sido condicionado, bem como, nota-se, o pensamento de Pedro Afonso. A vitória do binómio masculino-feminino expressa em homem e mulher, da monogamia e do monoteísmo, correm lado-a-lado com a consolidação de uma sociedade judaico-cristã, e não reproduzem as formas multiversas pelas quais as sociedades se expressam. 

 

Dito isto, tenho as minhas reticências a propósito da proposta do BE de que os filhos possam processar os pais que se recusem a autorizar a mudança de sexo aos 16 anos de idade. Entenda-se, não me oponho à mudança de sexo, princípio que se coaduna com a liberdade e a autodeterminação. O sujeito é livre de fazer o que quiser com o seu corpo, desde que em estado psicológico que revele compreensão do ato. Ou seja, uma pessoa que se deseje mutilar deve ser livre de o fazer, desde que esteja consciente dos efeitos. Ora, o que está em causa, penso, é a limitação da autoridade parental e a gestão dos deveres e direitos familiares. De que forma é possível garantir o direito à identidade sexual (ou outra) do adolescente sem, com isso, obrigar o núcleo parental a aceitar algo com que não concorda? Eventualmente pela emancipação do menor. Todavia, reconhecendo que muitas pessoas, desde crianças, se consideram aprisionadas num corpo que não é seu, é necessário que uma mudança de sexo num contexto adolescente seja acompanhada de profunda revisão psicológica, pois que a adolescência corresponde a um período de turbilhão emocional e busca de identidade, sendo a mesma permanentemente objeto de revisão, negação, negociação por parte do sujeito adolescente. Entre os 16 e os 18 anos, altura em que se atinge a maioridade, vai um período adequado para a reflexão. Afinal há inúmeros fatores em equação, que passam pela irreversibilidade do processo e, a título de exemplo, a mudança escolar, a fim de evitar o bullying decorrente. 

 

O nosso património cultural mainstream deve ser cautelosamente invocado, sem que para tanto haja um aprisionamento das liberdades individuais, pois que podemos ser todos iguais em ditadura, mas somente em democracia somos livres.

08
Set17

O racismo que parece não haver

           Joana Gorjão Henriques tem feito um excelente trabalho, trazendo ao Público e a público, fenómenos que contradizem um mito racial em Portugal. O país dos brandos costumes tem em si muitos preconceitos, mesmo que os vá manifestando brandamente. Ser-se cristão, branco e falar português são indicadores essenciais para a aceitação mais alargada do imigrante. Efetivamente sabemos que o francês, o inglês ou alemão que vem viver para Portugal não é um «imigrante», é um francês, inglês ou alemão que veio viver para Portugal. Imigrante não é o Monsieur Cantona ou a Madonna, são o Sergiy, o Weverson ou o Djaló. 

          A histórica presença africana em Lisboa, que Isabel Castro Henriques tem batalhado para fazer caber na memória histórica nacional, é um facto ignorado, silenciado em favor de uma narrativa, daquilo que Triaud chama de memória instituída e que é, toda ela, politicamente intencional. Não é, pois, de estranhar ler posições de pessoas notoriamente (o notoriamente deriva das suas posições pró-Trump e anti-islão) xenófobas e racistas afirmando que Portugal não é um país racista nem xenófobo. É verdade que temos um historial de miscigenação e encontros culturais exemplares. Mas isso não apaga a marca do preconceito, da escravidão e da segregação. Com rigor, temos um mapa social que se organiza em clusters e estereótipos: os "pretos", os "chinocas", os "de leste", os "zucas", os "chungas", os "tios", os "Avecs", etc. Trata-se de uma ordenação social que instituindo fronteiras imaginadas confere um conforto ilusório a quem a contrói. Basta tomar em conta a cristalização do português "trolha" e da portuguesa "porteira" que paira no imaginário francês, e que coube tão bem no hilariante "A Gaiola Dourada".

        Porque os estereótipos e atitudes preconceituosas resultam das geografias, onde não é de estranhar que na Lisboa do Restelo ou da Lapa estes se revelem mais determinantemente, contrastando com o melting pot dos arredores, onde todos os "outros" se cruzam e misturam, produzindo o verdadeiro tecido social português. Com efeito, nenhuma sociedade é estanque, ela reconfigura-se permanentemente, negociando-se dentro de si mesma. 

03
Set17

Ainda o Género e o Neutro

Uma sociedade não reflete ideologias concebidas em escritórios, gabinetes ou laboratórios. Uma sociedade é muito mais plural que o esquema "nós e os coitadinhos" concebido no altar do CDS e de uma franja significativa do PSD. Uma sociedade é movimento, por isso os conceitos de análise sociológica são transformações, ressignificações, mudança, acomodação, negociação, hegemonia, poder, entre outras. Dito isto, não há uma coincidência entre o ideal conversador de sociedade e a realidade propriamente dita. Não interessa que não se aceite a diversidade sexual, de género ou religiosa, a diversidade é um facto social.
Ora «diversidade» é a chave de uma sociedade. Por isso a transformação de uma sociedade de diversa em unívoca é um ato de poder e ideologia. Quando à luz do respeito pela diversidade se subtrai o diverso para instalar o «neutro» estamos a passar de uma hegemonia para outra. Quando se ataca uma barbearia por não atender mulheres, mas nada se diz sobre um brunch que interdita homens, quando se questionam manuais escolares que colocam tarefas domésticas no imaginário feminino, mas se ignora o papel de "bruto" sobre o masculino, quando se retiram os brinquedos femininos e masculinos e se pretende instalar brinquedos neutros, não se está a alargar a liberdade do género, mas a impor, contrariamente, o género neutro. Melhor seria deixar o menino com a sua Barbie e a menina com o camião das obras.

29
Ago17

O Facebook e o recreio da escola

 O recreio da escola, enquanto espaço de socialização por excelência, veicula, fortemente, valores comunitários, conceções sociais estruturantes como preconceitos, estereótipos e padrões comportamentais de excelência e de perigo. É um espaço de contaminação, de circulação de ideias, slogans sociais, modelações comportamentais, de soundbites e construção de clusters, em que se vão vestindo catalogações como dreadsnerds, preppy, entre outras. Nesse sentido assemelha-se ao Facebook,  com todas as suas lógicas silenciosas de ocupação de espaço, de construção de solidariedades, de amizades, de inimizades, de pretensões, de anti-status quo, de fabricação de marginalidades. Num e noutro cenário. Dificilmente não nos lembraremos daquele tipo borbulhento e estranho meio solitário, ou do rapaz vestido com roupa herdada de um tio, do cocho, do "caixa de óculos", do gordo, enfim, dos descamisados do mainstream, todos aqueles tipos que até podiam ser extremamente simpáticos, mas com os quais ninguém queria ser visto conviver, também no Facebook há quem leia muito este ou aquele mural, sem jamais fazer um like, não vá "o diabo tece-las" e ser visto pela "malta fixe" a cair no erro social de dar uma palmada nas costas no tipo menos popular do liceu.

18
Jul17

Homossexualidade, Gentil Martins ou de como o conservadorismo é uma falácia

Sabemos vivermos tempos líquidos, fugazes, em que as alterações sociais se dão num fluxo acelerado, em que ao tempo não se dá corda, mas antes se vê passar o frenético digital dos números nos gadgets. Esta fluidez faz crer que se trata de um fenómeno novo, esse da mudança social, como se a humanidade tivesse estado parada até ao apogeu da globalização e do capitalismo. O que de facto a História nos ensina é que isso jamais aconteceu, razão pela qual a Antropologia advoga a mutabilidade das estruturas sociais, a permeabilidade dos conceitos, a inexistência de dados estanques, a maleabilidade das fronteiras e dos valores sociais. As sociedades são feitas de negociações, de valores mudados e questionados. É precisamente pela consciência da mudança que se dão as crises nostálgicas. A própria nostalgia, urdida nos lapsos de memória, nas memórias instituídas e nas coincidências relembradas, é uma tentativa de fixar imagens estáticas de um tempo, razão pela qual ela é, essencialmente, estética, aprisionada em sons e produtos culturais reciclados. 

       Dessa forma, o conservadorismo não seria, senão, uma falácia, uma tentativa de fixar um tempo incerto, um punhado de valores que em dado momento da história foram degenerações sociais, mudanças. Da incapacidade de cavalgar a onda, o conservador aspira por um tempo romanceado, por uma nostalgia tecida no tear da utopia, porque não se pode conservar o que está em permanente mudança. Por essa razão, o conservadorismo não é linear como quer ser, é a seleção de elementos com um fim ideológico. É a opção entre muitos passados, entre a multiversidade do «antigamente», é a seleção de frames com vista à composição de uma narrativa. Nesse sentido, o problema dos conservadores com a homossexualidade não parece residir na vivência sexual alheia, mas antes no facto daquela contestar a história que eles querem contar a si mesmos - a história de uma sociedade estanque, imutável, que se apega aos bons e velhos costumes, selecionados, pois, de entre os muitos velhos costumes. Cozinhados no forno da moralidade religiosa, os velhos costumes não são factos históricos, são memórias cálidas de uma infância tingida. Como escreveu Rosa Montero no seu A Louca da Casa, «são tão iguais estas paradisíacas infâncias russas que uma pessoa não pode deixar de as julgar uma mera recriação, um mito, uma invenção».

        Assim, o conservadorismo é a capacidade de olhar para as corridas de Ascot e ver apenas os chapéus e ignorar os comportamentos ébrios de quem os transporta. É, no fundo, uma expetativa quase esquizofrénica de conservar, de aprisionar, um momento, aquele pedaço de tempo antes da dentada na maçã do paraíso, uma história que se conta a si mesmo para afastar os monstros debaixo da cama. 

04
Jun17

Cultura, Religião e Globalização


A DIMENSÃO CULTURAL da globalização é um factor fundamental na análise dos localismos globalizados e das globalizações localizadas. Apesar disso, importa referir que cultura, na maioria dos lugares, é pelo menos parente de religião, o que significa que a cultura identitária tem um carácter profundamente religioso. Importa referir que a globalização é um processo impulsionado por forças económicas e tecnológicas, ao mesmo tempo que significa um aumento exponencial das possibilidades de comunicação entre um número crescente de pessoas em todo o mundo, dos mais altos cargos políticos ao cidadão comum, passando claro pelas organizações religiosas, ideológicas e criminosas.
TORNOU-SE, neste processo, consensual que a globalização tem um pendor cultural expresso. Assume-se que existe uma cultura global emergente e dominante, um localismo globalizado, cujo foco de emissão é os Estados Unidos da América, razão pela qual é frequente se falar numa americanização do mundo. Para muitos, esse localismo globalizado significa uma exportação de padrões de vida elevados e que culminará na criação de uma sociedade civil internacional assente na democracia como sistema político. Para outros, essa exportação significa uma expansão de um modelo de vida superfícial, trivial e até mesmo como uma conspiração neo-imperialista ao serviço de um capitalismo predatório. Esta última leitura é a fonte alimentadora dos movimentos anti-americanos como sinónimos de resposta anti-globalização. Seja como for é factual que a globalização tem uma feição norte-americana notória, marcada inclusive pela padronização das comunicações no inglês americano.
APESAR DE imensamente explorada, a reflexão em torno de uma cultura global é recente, embora se relacione com um assunto mais arcaico: modernização. Um dos principais aspectos desta modernização é a afirmação de um valor formulado com o Renascimento - individualização - que se configura na subtração do indivíduo da sua condição de parte integrante de uma identidade tradicional expressa pela identidade de grupo ou nação. Esta individualização abandona o ser humano à sua própria condição de liberdade do uso dos seus meios e recursos.
IMPORTA REFERIR que essa cultura globalizada não é inexorável, isto é, não se trata de um rolo compressor ao qual é impossível resistir nem tão-pouco é linear. Ela comporta contrariedades que se lhe tornaram características, como a comida fast-food e a comida tradicional dos diversos pontos do globo, o ateísmo e a procura das religiões tradicionais, a sexualidade desmoralizada e a virtude evangélica. Apesar dessas contrariedades que lhe são típicas, a globalização significa uma uniformização de modos de vestir (mesmo os diferentes estilos são padronizados), de linguagens corporais e de quadros referenciais.
NESSA GLOBALIZAÇÃO RESISTENTE cabe tudo o que a padronização e a resistência simbolizam. Os valores religiosos são em larga medida os mais significativos elementos das fragilidades do rolo compressor, ou pelo menos, das nuances que este contém. A Índia é um exemplo desses contrastes da globalização. A sua população adere às tendências das novas tecnologias, às tendências ocidentais de comportamentos sociais como as despedidas de solteiras com strippers, ao mesmo tempo que as castas e a fé hindu continuam a ter papel intocável nos códigos e sistemas de organização.


{image copyright} | (texto redigido em 2011)

12
Mai17

Fado, Futebol e Fátima

O galego Carlos Taibo, no seu livro Compreender Portugal, publicado em 2015, afirma que a sociedade portuguesa, no seu mais amplo sentido, deslocou-se da “trilogia dos três F” – fado, futebol e Fátima, para uma nova trilogia, composta por futebol, FMI e Facebook. Sem negar a importância recente do FMI e o lugar central do Facebook na vida quotidiana dos portugueses (num continuum universal que não produz dimensões particulares portuguesas), considero que os clássicos três F, das guitarras portuguesas, da bola sobre a relva e do culto mariano permanecem profundamente operatórios, enraizados na identidade nacional. Tratam-se de atavismos culturais impressos na memória histórica coletiva. Recordando Júlio Pimentel Pinto, “a memória é esse lugar de refúgio, meio história, meio ficção, universo marginal que permite a manifestação continuamente atualizada do passado”. Nesse sentido, a memória coletiva permite a revivência de determinados eventos, a instituição de determinados acontecimentos como marcos que solidificam a identidade de um grupo. A memória, efetivamente, une os sujeitos, os atores sociais, porque ela interliga-se, beneficia-se das memórias alheias, porque a memória individual só se emaranha na memória coletiva se, como escreveu Halbwachs, concordar com a memória dos outros. Para León e Receba Grinberg a identidade emerge da interseção do tempo, do espaço e do grupo, mecanismos que conjugados produzem um manual de valores que se solidificam no grupo. São tradições inventadas, como teorizou Hobsbawm, que necessitam, na ideia de José Mattoso, do Estado para se criarem, porque a portugalidade é devedora, sem dúvida, do intenso movimento do Estado Novo de estabelecer uma “identidade nacional”, de que os “três F” são o expoente máximo. 

As romarias com a sua religiosidade assente nos ex-votos, na devoção mariana e nas práticas de cura, o futebol com as suas outras romarias de domingo, em que as famílias iam ao estádio e sempre alguém pedia “vizinho, deixe-me entrar consigo”, na época dos bilhetes com direito a acompanhante, e no fado, a “canção nacional” que transporta o ideal de um povo vivente de tristeza, amargura, devoto e honroso. O português de Jorge Dias é “um misto de sonhador e de homem de acção [...] o Português é, sobretudo, profundamente humano, sensível, amoroso e bondoso, sem ser fraco”. 

Mas se o português é uma série de lugares-comuns instituídos na memória coletiva, ele também é muitas outras coisas, porque o quotidiano não se compadece com chavões ideológicos. No entanto, porque a memória se reaviva em acontecimento determinantes, contribuindo para a fabricação de um sentimento comunitário, o 13 de maio de 2017 oferece as condições essenciais para o reavivar da memória nacional, agora amplificada nos meios de comunicação social, com transmissões diárias de notícias e reportagens em torno da vinda do Papa Francisco, publicação de artigos de opinião e livros sobre a vida e a mensagem de Bergoglio. A mediatização da visita papal e a cobertura das peregrinações tem oferecido terreno para um reavivamento católico, para um ressurgimento do catolicismo como idioma cultural nacional, ao qual se junta o facto de no próximo dia 13, o Benfica provavelmente se sagrar campeão, o clube português com o maior número de adeptos, e que opera, assim, como um símbolo instituído de Portugal, conjugando-se a Fátima, reatualizando o mito do país católico e benfiquista, relegando para segundo plano o multiculturalismo, a diversidade religiosa, a diversidade clubística, para renovar, pelo gesto nostálgico, o Portugal do Estado Novo, agora, no dia 13, sem o fado, mas com Salvador Sobral e o Festival Eurovisão.

 

post também no blog Changing World do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE (link).

10
Fev17

Porque elegerá a França Le Pen?

Aproximam-se, vertiginosamente, as eleições francesas, com escândalos em torno dos principais candidatos, com exceção para Marine Le Pen. Não é por acaso. Marine Le Pen não tem esqueletos no armário, porque tudo o que é mau ela está evidente, é parte da sua ação pública como política, verdadeira continuação da estratégia do seu pai, Jean-Marie Le Pen, antigo dirigente da Frente Nacional. Marine Le Pen é, portanto, produto de uma socialização em torno do fascismo, dos ideias da extrema-direita anti-semita, anti-imigração, e nacionalista. É o espólio ideológico dos derrotados da II Guerra Mundial, os que não se inconformaram com a queda do ideal nazi, aos quais se juntam os descamisados da globalização, os sem rosto e sem sorte das últimas décadas, os que viram passar o capitalismo sem o cavalgar. Sem referenciais, sem ingresso na ordem mundial globalizada, de classes sociais desfavorecidas e altamente instáveis, são os adeptos fáceis das teorias do medo que elegeram Donald Trump, da culpabilização do «outro», da rejeição do multiculturalismo. 

A estes redneck franceses vão-se juntando os que abdicam da liberdade em troca de segurança, diante do medo contínuo do terrorismo de feição islamista. O «outro» já não é apenas culturalmente diferente, é o que se apropria do fundo de maneio da segurança social francesa, registando mais de cinco filhos, para passar o dia no banco de jardim, é o que se guetiza -- narrativa que se esquiva de fazer a reflexão sobre os efeitos da guetização de imigrantes na construção de uma ideologia de exclusão e reforço de referenciais de contraste --, que se coloca à margem e se recusa a aderir aos padrões franceses. Numa França em ebulição, em debate interno sobre a imigração, o multiculturalismo e as fronteiras identitárias, receosa do terrorismo, conhecedora da narrativa do Daesh de exportação de terroristas a partir do fluxo migratório, a resposta democrática, a integração, as políticas de inclusão social, deixam de ser alternativa, em particular porque os seus efeitos são mais demorados, e a alternativa extremista de fechamento de fronteiras e reforço do nacionalismo francês, voltam à tona com nova energia. E a cada dia que passa a "paz kantiana" e os sonhos da União Europeia vão se desmanchando, dando lugar a um cenário em tudo idêntico aos pré-guerras mundiais.  

16
Dez16

Dos direitos dos idosos

A criminalização do abandono de idosos acarreta um problema de difícil solução, ao mexer com histórias familiares. Por isso vale bem perguntar se todos os filhos têm o dever moral (primeiro que legal) de prestarem assistência aos seus pais. Vejamos duas histórias ficcionais que arrumam a questão. 
A) O senhor Artur dedicou a sua vida à família, trabalhando de sol a sol, até para além do que a força lho permitia, dando o máximo conforto e oportunidades que lhe foi possível aos seus 3 filhos, hoje todos formados e bem empregados. Nos seus 75 anos, com visitas inoportunas do Alzheimer, passa os dias no jardim, sozinho, desde que Maria Augusta faleceu. Jacinta há anos que não lhe visita ou telefona. Tem netos que nunca lhes viu o rosto ou sentou ao colo. Sente-se traído, depois de uma vida em prol dos seus.
B) Mário tem 68 anos. Trabalhou nas obras e em inúmeros biscates que vieram e foram. Acompanhou-se sempre do álcool, fiel amigo. Casou-se com Odete porque esta engravidou. Começou por se tornar violento com a mulher, depois com o filho Vítor, por fim virou-se para Margarida, a filha, violando-a sob a tutela do álcool. Hoje é um homem só, vencido pela culpa que me entregou um AVC. Os filhos e a ex-mulher não lhe falam há 20 anos. 

Estes dois cenários servem para pensar sobre os limites e os desafios do auxílio de idosos. Que dever têm os filhos do caso B? Que penalização devem ter os do caso A?

16
Dez16

RAP e a mariquice

 Considero valoroso não se pertencer ao aborrecido mainstream. Não há açúcar em ser do mesmo clube, da mesma religião, vestir a mesma roupa ou ter a mesma orientação sexual que a maioria. É bom criar descontinuidade em algum momento ou aspeto das nossas vidas. Não é apenas pensar fora do quadrado, é sair dele. Agitar as coisas, portanto. 

Ora, quando se agitam as coisas é natural que o cinzento reaja ao laranja, nem que seja pelo destoar. E isso pode gerar extremismos. Não há coisa pior que o cinzento não permitir o laranja? Há, o laranja se tornar fundamentalista. Eduardo Pitta é um tipo ponderado e por quem tenho simpatia. Apressou-se a julgar as palavras e RAP e descambou para o azedume de espírito. Acontece. Eu que em certos dias até coxeio ligeiramente devido a uma queda não me afronto com sketchs como aquele. Lamento que EP o tenha feito.

"E naquela casa, que ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias".

Email | Blog Académico | Página Pessoal 

OS MEUS LIVROS

p-imdv.jpg

O livro está disponível para download aqui. COVER ULHT.JPG O livro está disponível para download aqui O livro está disponível para aquisição aqui O livro está disponível para aquisição através do email correio@cpcy.pt

UNS TANTOS