Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Morada dos Dias

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

Micropost [39] | Ainda Bolsonaro

Março 28, 2020

O presidente brasileiro vai gastar 800 mil euros numa campanha de marketing, que inclui passeatas de apoiantes, em favor do fim do isolamento social. Retomo o escrito ontem, no post infra: o cérebro de Bolsonaro está em Olavo de Carvalho, negacionista da pandemia. As políticas estão em Paulo Guedes, um ultraliberal focado no incentivo ao setor privado. A visão de sociedade conjuga estes dois fatores com a moralização evangélica. Com isto, temos uma ideia de governação em que o país não pode parar, morram quantos morrerem. Para isso, é preciso negar a pandemia e manter tudo a funcionar. Triunfalmente até ao colapso final. Será a queda de Bolsonaro, com efeito, mas também a destruição total do país. O rescaldo tratará uma escolha entre dois regressos: ao petismo ou à ditadura.

Bolsonaro: negacionismo e distopia

Março 27, 2020

O presidente brasileiro deu mais um passo na consumação da distopia brasileira. Ao negar categoricamente a pandemia do covid-19, apelidando-a de "gripezinha" e invertendo todas as recomendações da OMS sobre a necessidade de confinamento e distância social, incentivando a abertura das escolas, da ponte aérea e a retoma do normal funcionamento das instituições e do comércio, Bolsonaro oficializa o negacionismo embandeirado por Olavo de Carvalho, filósofo brasileiro radicado nos Estados Unidos, e tido pelo ideólogo do governo brasileiro em funções. A sua decisão comporta duas consequências de distinta natureza: uma político-ideológica e outra social. Do ponto de vista político-ideológico significa, como dito, a vitória do viés negacionista, cujos propósitos são, a bem ver, o de garantir a continuidade das instituições vitais, num país onde a taxa de mortalidade, por diferentes motivos, sempre foi elevada. Por essa razão, a relativização mascarada de negacionismo assume-se como uma estratégia sobretudo económica, procurando garantir que os setores vitais da economia brasileira continuem a funcionar: indústria agropecuária e as exportações. Ao mesmo tempo, pelas suas assimetrias sociais, económicas, demográficas e geográficas, o encerramento da rede escolar não permite a execução eficaz de alternativas como o ensino à distância. Em simultâneo, ocorre a pressão da económica e socialmente relevante rede evangélica, para quem medidas de confinamento representam o encerramento de igrejas e, com isso, uma quebra acentuada de receita oriunda das “correntes de cura”, do “dízimo” e outras formas de doação de fiéis.

Assim, com o “boi” e “Bíblia” ameaçadas, a estabilidade económica e social brasileira é colocada em causa. Convém recordar, ainda, que Bolsonaro, um saudosista da ditadura militar, sempre advogou a necessidade de redução da população brasileira, tendo sido essa, a seu ver, a maior falha do regime ditatorial brasileiro. Nas suas palavras “mataram pouco”. Ora, encurralado entre as pressões da bancada do boi e da bancada da Bíblia, Bolsonaro tem na pandemia a alternativa mais sólida ao programa falhado pela ditadura. Isto porque, em rigor, as características demográficas e geográficas brasileiras impossibilitam um policiamento eficaz do confinamento, mesmo que fossem colocados os militares na rua. Concomitantemente, a cúpula presidencial tem perfeita noção que o Brasil não possui uma rede de cuidados médicos capazes de lidar com uma onda de mortalidade ao nível italiano, tendo presente o que foi o cenário horrendo da “gripe espanhola” no Brasil em 1918, em que os corpos se acumulavam nas ruas.

Ora, entre um cenário de paragem económica de um país já de si numa situação instável e a ameaça do alastrar da pandemia em proporções incontroláveis, levando em conta a densidade populacional das áreas urbanas e o efeito “bola de neve” nas zonas periféricas (em particular nas “favelas”), o governo brasileiro opta por varrer o problema para debaixo do tapete, na expetativa de que, por artes mágicas, a crise passe.

Assim, ao negar a pandemia ao mesmo tempo que a sociedade e os governos estaduais vão tendo noção do problema, verifica-se um crescendo de instabilidade e desconfiança. Perante o cenário de alastramento epidemiológico, surge uma corrida aos supermercados e um açambarcamento generalizado. Quando tal fenómeno é conciliado com um atraso na resposta conjuntural, precavendo danos futuros, e sabendo que mais tarde ou mais cedo acabará por suceder uma paragem da indústria, decorrente e conjugada com a mortalidade elevada que se avizinha, compreende-se que o Brasil irá passar, muito provavelmente, por uma situação de crise de bens alimentares, incapacidade de resposta médica, inflação e caos social. Bolsonaro poderá tentar passar pelo intervalo da chuva neste cenário, imaginando-se a liderar o regresso da ditadura militar. Mas tal cenário não é garantido, haja visto que é cada vez mais evidente a irresponsabilidade das suas ações e palavras. Os escombros sociais do pós-Covid-19 poderão, em muito, recordar o cenário herdado da “gripe espanhola”. Convém recordar que no séc. XX somente a Segunda Guerra Mundial matou mais do que a “influenza”. No Brasil morreram cerca de 300 mil pessoas, entre elas o presidente, Rodrigues Alves. Convém recordar que a população brasileira, na época, rondava os 20 milhões de pessoas. Atualmente o país possui cerca de 210 milhões de pessoas. Sabendo que a taxa de mortalidade do covid-19 é superior à da “gripe espanhola”, e com uma densidade demográfica tão expressiva, é possível prever uma hecatombe sem precedentes no Brasil. A conjuntura entre terraplanismo, ultraliberalismo, radicalismo evangélico, saudosismo da ditadura e produção massiva de fake news, fermentam um cenário propício à devastação do Brasil como o conhecemos. 

Micropost [38] | E depois do vírus?

Março 19, 2020

O tempo é, ainda, de modo periclitante, de combate, mas podemos começar a levantar dúvidas sobre o pós-crise. O tempo que daí advirá terá similitudes com um tempo de pós-guerra, demandando por um novo Plano Marshall global, exigindo líderes fortes, capazes, audaciosos e humanistas. Sabendo do lugar que os EUA ocupam na geopolítica, o sucesso da recuperação económica mundial poderá estar em causa com uma liderança como a de Trump.

Micropost [37] | Covid-19 e a CGTP

Março 16, 2020

Os tempos são excepcionais e a CGTP precisa entender isso. Todos nós o entendemos. As empresas estão e continuarão a ter prejuízos avultados. Algumas, muitas, poderão ter de fechar portas. A crise de 2008 poderá ser residual quando comparada com os tempos presentes. É preciso coerência. Enviar os funcionários para casa aplicando férias não é uma medida fácil de tomar. No entanto, é preciso lembrar que muitas empresas vão deixar de ter entrada de capitais, mas continuarão a ter de pagar 33% dos vencimentos aos seus funcionários. Não é o tempo da luta de classes. 

Micropost [36] | Trump-19

Março 15, 2020

Como um mal não vem só e tudo está interligado, preocupa-me os efeitos do covid-19 nos EUA e, por arrasto, no planeta. Um país cujo presidente primeiro nega, depois desvaloriza para depois declarar emergência nacional, onde não existe sistema nacional de saúde, poderá cair numa espiral de descontrolo. Pior, Trump poderá aproveitar o momento para suspender as eleições e fazer uma campanha de demonização da China com teorias da conspiração num país cheio de fanáticos pelo imaginário do Apocalipse.

Micropost [35] | A missão e a vocação

Fevereiro 04, 2020

Uma boa parte das pessoas tem o privilégio de dizer que faz na vida aquilo que gosta, que sente por vocação e que está onde quer estar. Médicos, atletas, músicos, professores, barbeiros, bombeiros, e tantos outros. Fazer política não deveria ser uma vocação menor. Por isso não compreendo a indignação face às declarações de Joacine Katar Moreira nesse mesmo sentido. Ela sente nasceu para estar ali? Ótimo. O que não queremos, mas temos, é deputados que estão ali para benefícios de setores privados, para benefício próprio e a não acreditar na coisa pública.

Micropost [34]

Fevereiro 04, 2020

André Ventura propôs a redução do salário dos políticos, uma proposta que sabia que seria chumbada, mas que serve para criar a ilusão do nós contra eles, para se imaginar que ele não é um político. Mais, trata-se de uma proposta para as letras bold do Correio da Manhã e, com isso, para o efeito junto do seu eleitorado. O mesmo eleitorado que gostou de o ouvir mandar Joacine para a sua terra, que é o mesmo eleitorado que acha que Portugal bom foi o do Estado Novo, em que "África era nossa".

O Guarda Abel

Fevereiro 01, 2020

As declarações de Abel Matos Santos não tiveram um contexto, como se defende. Elas não foram uma referência casual, são retrato das suas crenças. Da apologia do Salazarismo ao antissemitismo, sem esquecer que, na qualidade de Psicólogo sexologista, é um combatente da homossexualidade. É alguém que se revê mais no Chega do que na Democracia cristã. Aliás, ele mesmo já afirmou que o partido de André Ventura é um aliado. Trata-se, portanto, da contextualização portuguesa do bolsonarismo, com a apologia do regime autoritário, com o apreço por uma autoridade pública repressiva, de forte pendor anti-pluralista, de arreigada moralidade religiosa, marcada pela homofobia, a que só falta a profunda desconsideração pela cultura, mas que certamente não faltará uma ideologia de cultura estreita e unidimensional. Em suma, é o arquétipo do católico conservador, elitista, saudosista do Estado Novo, defensor da cura da homossexualidade. O grave nisto não são as suas crenças, em última análise há sempre espaço para que elas existam dentro de um limite democrático. O problema é fazer crer que a Direita é isto, e que este é o caminho da Direita, sendo que tudo o que não seja isto é tudo esquerda, é tudo nefasto.

Micropost [32] | Chiquitito tell me what's wrong

Janeiro 29, 2020

O novo líder do CDS refere-se, sucessivamente, a pseudo-intelectuais de esquerda. Ao que parece, para o Chicão, a elaboração do pensamento reside, apenas, à direita ou, muito provavelmente, habita apenas aqueles que dizem aquilo que é concordante com as suas ideias. Nessas coisas, Manuel Monteiro é um senhor, que mesmo não tendo por agenda política ou valores pessoais um conjunto de princípios que moram na outra margem, continua a reconhecer-lhes legitimidade. Mas enfim, são os ventos que sopram — comigo ou contra mim.