Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Morada dos Dias

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

22
Out20

Do voto obrigatório

O Chega pretende inserir a obrigatoriedade do voto. Este é um tema com o qual me tenha debatido algumas vezes. Enquanto conquista recente e democrática, o sufrágio universal pressupõe tanto o direito ao voto quanto o direito a não votar, no quadro das liberdades constitucionais. No entanto, as taxas de abstenção são altíssimas, revelando mais do que um protesto, um problema de desinteresse e desconfiança no sistema. Sucede que no caso brasileiro, apesar da obrigatoriedade do voto sob pena de pagamento de coima, a abstenção tende a prevalecer. Rui Rio propôs que a abstenção fosse convertida em lugares vazios no plenário da República. O problema da proposta é que não resolve a questão da abstenção, apenas tem um valor de lembrete sobre os deputados, significando a incapacidade de se comunicarem com os eleitores. O caminho parece passar pelo longo trajeto de educação para a cidadania, questão que, como visto, tende a obter alguma oposição social.

16
Out20

Micropost [63] take covid away

Todos nós temos apps no telemóvel que constringem as nossas liberdades. É, no entanto, facultativo instalar. A app stayway covid, ao se tornar obrigatória, invoca a necessidade de se saber se ela atenta contra o regime dos direitos, liberdades e garantias previstos na CRP. Tal como de saber se não abre o precedente para um Estado policial (ao tornar a segurança superior à liberdade).

14
Out20

A Carta de Amor de André a Rui

André Ventura escreveu uma carta a Rui Rio, defendendo que a queda do governo socialista, que ele entende que virá, trará a oportunidade de governo a uma coligação "inevitável" entre o PSD e o Chega. Ventura é um tipo da área política do PSD que tinha pressa de chegar ao Parlamento e muita sede de protagonismo. Criou o Chega para atrair os votos das franjas sociais mais descontentes, com teorias da conspiração, com voz nas caixas de comentários. Mas ele não quer estar preso a estas amarras eternamente, a menos que tenha de ser. Por isso, tanto joga no campo da extrema-direita europeia, quanto tenta aproximações ao centro. Aquilo que ele mais quer é aquilo que ele mais acusa os outros de quererem: poleiro.

13
Out20

Micropost [62] Pelo que Covidever

Nas imediações de diferentes estabelecimentos de ensino superior em Lisboa (e não tenho dúvidas de que o mesmo se passe em todo o país) tenho visto dezenas de estudantes a conviver (beber e fumar) sem máscaras ou qualquer distanciamento social. Acrescem as praxes. A pandemia já não mete medo. São dezenas de pessoas que vão ter contacto com dezenas de outras pessoas. Continuar a falar do Avante como fator de disseminação do vírus e não olhar para este problema (e outros similares) é fazer combate ideológico, não ação política cívica. 

08
Out20

Um Achega

Em referência ao meu post sobre a expulsão do autor da moção de remoção de ovários, uma militante do Chega fez um post onde me tece algumas críticas. É uma das vantagens da Democracia, princípio pelo qual não temos a certeza de que o Chega tenha assim tanto afeto. A forma como André Ventura ataca os opositores políticos, a forma como as redes sociais do partido atuam distorcendo os factos e fazendo uso de chavões, estereótipos e ideias nacionalistas do começo do século XX, não deixam dúvidas sobre a forma como pretendem jogar o jogo político. É interessante ler no texto referido que o Chega é um partido "de cidadãos decentes, honestos, trabalhadores, pais de família, patriotas, cristãos e ateus, que não querem ver Portugal transformado numa Venezuela ainda mais pobre." Isto é ipsis verbis a narrativa dos apoiantes de Bolsonaro, quando na verdade por baixo desse belo véu está o racismo, a homofobia, o ódio de classe, o fanatismo evangélico e as saudades da ditadura militar. O que terá a dita senhora a dizer sobre os inúmeros militantes do Chega oriundos do PNR? E dos saudosistas do Salazarismo? Enfim, percebe-se que o combate cultural inventado por esta nova-velha-direita, reciclada dos anos de 1920 e 1930, espalhou-se pelo Ocidente. Por fim e já agora, quanto à castração química não há provas inquestionáveis de que seja uma solução segura, já que o estímulo sexual pedófilo é de natureza cerebral e pode ser satisfeito com objetos. 

08
Out20

Micropost [61] Assim Não

Em tempos de populismo o governo tem de ter uma ética de ferro. Isto significa prever a existência de uma perceção pública negativa em determinadas matérias. Quando às portas da entrada de fundos europeus se altera a lei que permite que familiares de membros do governo possam celebrar contratos com o Estado, está-se a legitimar a narrativa do "andam todos a gamar", ainda que não seja verdade. A confiança de que nada fará cair o governo não pode abrigar medidas que lesem a confiança dos cidadãos. Não estamos em tempos de brincar aos fundos europeus, como em 1990.

07
Out20

Micropost [60] Eleições Americanas

Segundo as sondagens Biden leva 16 pontos de vantagem sobre Trump. As notícias são boas, mas o facto de Trump ter informado que não reconhecerá as eleições caso perca, deixa tudo nas mãos do Supremo Tribunal, controlado pelos republicanos e onde ele irá colocar uma peça determinante. Poderemos estar prestes a ver os EUA perderem a Democracia. Eleger um egocêntrico patológico foi um péssimo serviço prestado ao mundo.

05
Out20

AconChegados

Já tive a oportunidade de ver alguns momentos do Congresso do Chega. O partido padece dos mesmos problemas dos grandes partidos, mas a triplicar. É um conjunto de fações radicalizadas, que se odeiam, com objetivos e ideias diferentes para o país, a que se junta um grupo de sujeitos mais articulados com rancor ao sistema porque não fazem parte dele, e por isso estão ansiosos porque lá chegar. São pessoas que vociferam contra os tachos, mas que desesperam por um. Quanto a Ventura, personifica o líder carismático weberiano, mas no Chega, tal como nas Igrejas evangélicas, o líder não é amado por todos, notando-se a presença de desejosos de tomar o poder. Para compor o espetáculo, lá estava o homem que odeia as mulheres e o excitado com o partido que desdiz o líder - enquanto Ventura tentou transformar o ataque ao Estado Social num mito urbano, o voluntarioso sujeito afirmava o modelo ultraliberal de 100% privatizações.

02
Out20

Micropost [59] Soprar a Franja

Nuno Melo é a prova de que o Chega sempre esteve aí, à espera de aparecer, infectando a sociedade de populismo, ódios, preconceitos. Um partido de pessoas como Freitas do Amaral ou Manuel Monteiro, intelectuais e cavalheiros, não deveria ser frequentado por gente como Nuno Melo, que tem dedicado os últimos anos à disseminação de conteúdos falsos e ao combate cultural imaginado pela direita radical. O eurodeputado menos produtivo envergonha o CDS do passado, mas infelizmente casa muito bem com o CDS do menino Chiquinho.

30
Set20

Os Ovários de Ventura

A Direção do Chega quer a expulsão do autor da moção, rejeitada, para a remoção dos ovários às mulheres que pratiquem aborto fora do regime previsto pela lei anterior, ou seja em casos que não de má formação fetal ou violação. Não tivesse existido uma comoção nacional e a coisa passaria. No entanto, um partido que atrai todo o tipo de desajustados sociais, com as mais variadas soluções para "problemas" que assolam a sociedade, sujeita-se a ser um melting pot de delírios e fanatismos. Se a castração física de pedófilos atraia uma massa significativa de pessoas que acredita no modelo de justiça popular, a remoção de ovários representou um salto que o Chega só daria não havendo uma rejeição dentro do seu eleitorado. Perante a reação pública, Ventura quer ver essa nódoa rapidamente removida, não vá fazer estragos ao naperon que anda a costurar.