Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dias Assim

06
Abr21

A "raspadinha" e a dependência

Como muito bem elenca Daniel Oliveira, 80% dos viciados em "raspadinhas" advêm das classes mais baixas da sociedade portuguesa, sendo um vício sem conotação social negativa, invisível e carente de regulamento de inibição. Esta situação deixa os mais vulneráveis economicamente e dependentes de um vício com a fatura de contribuir para o financiamento do património. No entanto, esta abordagem parece-me excessivamente paternalista -- um paternalismo de esquerda, de quem vestindo a casaca de operário, mas com estilo de vida de classe média, finge ser operário -- e enviesada pelo efeito tributário associado ao mesmo, revestindo o Estado de uma imagem de Sheriff de Nottingham. Se olharmos para o lado, para outro fenómeno de vício, o tabaco, percebemos também que este é, sobretudo, consumido pelas classes mais baixas da sociedade. O mesmo se aplica ao consumo de vinho de forma dependente, sobretudo por homens acima dos 50 anos e de condição económica e social vulnerável. Não sendo, no cômputo geral, exatamente os mesmos sujeitos, são, todavia, parte dos mesmos escalões económico-sociais. Ora, parece-me que a preocupação com a "raspadinha" vem revestida de um excesso de zelo, zelo que falta, portanto, em matéria de consumo de tabaco e de álcool, aos quais poderíamos acrescentar os casinos online, de fácil acesso e geradores de elevada dependência. Das duas uma: ou educamos toda a população para os riscos do álcool, do tabaco, dos vários tipos de jogos, etc., fomentando uma política social de combate às dependências, tratando-as de modo igual, ou deixamos a situação nos alertas mínimos e na máxima liberdade dos sujeitos, sem um regime de zelo face uma dependência de entre as várias que afetam as mesmas populações. De contrário estamos a dizer que a "raspadinha" é mais nociva que o álcool ou o tabaco. Ou de outra forma, que estamos mais preocupados com a utilização de um imposto para fins socialmente úteis, do que com a indústria do tabaco e do álcool, muitas vezes com uma imagem socialmente mais favorável, em virtude de um culto hodierno do vinho. 

Também em podcast

Cólofon

Dias Assim é um blogue de João Ferreira Dias, escrito segundo o Acordo Ortográfico, de publicação avulsa e temática livre. Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.