Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

— A Morada dos Dias —

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

— A Morada dos Dias —

09
Jan18

A tal campanha da H&M

Esta campanha da sueca Hennes & Mauritz, conhecida como H&M, deveria ser o suficiente para um processo criminal que levasse a empresa a pagar uma multa equivalente aos lucros de 2017. Não se trata de um pormenor, de um detalhe de campanha de somenos importância, um erro de marketing que se resolve com despedimentos. Há, aqui, um caldo histórico-sociológico cujos contornos não são de menor importância, ao aportar diretamente ao racismo biológico, a uma longa produção discursiva sobre racialidade, superioridade e segregação, cujos efeitos históricos permanecem fortemente veiculados nas sociedades ocidentais. A associação entre pessoas negras e os macacos fez escola na ideologia racial biológica e cultural, expressa na inferioridade moral, cultural e biológica dos negros, associando-os, através de elaborados esquemas de craniometria e de uma cientificidade racial, à predisposição para o crime, e para um tipo de pensamento religioso de natureza "mágica", distante dos padrões ideais do monoteísmo bíblico. Todo este discurso foi marinado durante séculos, através da construção teológica cristã do Inferno personificado na África quente, de pessoas queimadas e de costumes demoníacos. Toda esta escola racial ocidental produziu sociedades segregadoras, como a brasileira, que terminada a Escravatura empurrou os seus ex-escravos para os morros, oferecendo à cidade as populações europeias, num ímpeto modernizador de branqueamento social e cultural. Por tudo isto, há uma profunda responsabilidade moral que deve ser imputada à empresa têxtil, exacerbada quando colocada a imagem da criança negra em confronto com a branca, cujo hoddie aponta para a figura romantizada do colonizador branco, rei da selva e dos safaris. Não se pode ter uma atitude de desinteresse pelo caso, um minorar das responsabilidades da H&M e dos efeitos que a campanha tem na perpetuação de atitudes racistas, de segregação e coisificação dos indivíduos. 

 

(obrigado à equipa do Sapo pelo destaque deste texto)