Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Morada dos Dias

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

08
Abr20

Covid-19 e o fim da Europa

A ESTRATÉGIA EUROPEIA DE ENFRENTAR ESTA CRISE  com a segunda receita (a primeira foi o incentivo à despesa por parte dos Estados em risco) aplicada à crise de 2008, isto é, de austeridade, repetindo, assim, a guerra Norte-Sul, a partir de uma narrativa ideológica de "Estados responsáveis versus Estados irresponsáveis", é uma catástrofe maior do que a devastação humana, social e económica resultante da pandemia. Isto porque se a narrativa dos "Estados irresponsáveis" conquistava, à época, algum eleitorado, fazendo respaldo, em parte, na gestão dos países do Sul da Europa, presentemente, tal narrativa responsabiliza os países mais afetados pelo vírus do Covid-19 pelos efeitos sociais e económicos do mesmo. Não é de estranhar que António Costa tenha reagido de forma tão veemente às declarações do ministro das Finanças holandês. 

Este tipo de raciocínio assume uma aura de "pretexto" que alavanca  a dissolução do projeto europeu. Isto porque, a Holanda, a Finlândia, a Alemanha e a Áustria, são países de identidade isolacionista ou com governos que expressam uma ideologia anti-comunitária. A xenofobia e a desconfiança face aos países economicamente periféricos passaram a incorporar a ideologia de governo. Uma ideologia que desconsidera o desnível entre Estados-membros como fator de risco, desnível esse presente nas dificuldades geradas pela política monetária comum. 

Assim, a ausência de uma estratégia de recuperação de natureza conjunta e elaborada tendo em vista as circunstâncias particulares dos eventos, livre de um neocolonialismo doméstico europeu concretizado em procedimentos de resgate, trará duas saídas à Europa: um ressentimento e deterioração das relações multilaterais, em resultado da implementação do modelo de intervenção-austeridade, que ao desconsiderar a circunstância da crise assume a tal feição neocolonial doméstica; ou o fim do projeto comum, com o encerramento das fronteiras, dissolução de acordos e extinção da moeda única. Este cenário servirá para pensar a lógica multilateral e a cooperação  como fruta da época do fim do muro de Berlim. Uma expectativa pueril de uma Europa conjunta.

As sombras sobre Bruxelas começam a notar-se. É tempo de líderes fortes, não apenas na Europa, mas nos países decisores. Num contexto de crescimento de soluções populistas e nacionalismos, ideologias xenófobas e racistas, onde estão esses líderes que colocarão a lanterna no final do túnel? 

(em reforma) BLOGS AOS MOLHOS //  A Terceira Noite | Absorto | Adufe | Almanaque Republicano | Aparências do Real | Aspirina B | A Origem das Espécies | Barbearia Sr. Luis | Blasfémias | Blogoperatório | Bomba Inteligente | Causa Nossa | Corta-Fitas | Crónicas da Terra | Da Literatura | Delito de Opinião | Der Terrorist | desNorte | Dias com Árvores | Esmaltes e Jóias | Esquerda Republicana | Blues For Alice | Geração de 60  | Incursões | Indústrias Culturais | J.P.Coutinho |  Jorge Vaz Nande | Ladrões de Bicicletas | Lauro António Apresenta… | Ler BD | Miniscente | O Insurgente | Ortografia do Olhar | O Jumento | O Grande Zoo | Poesia | Poesia Distribuida | Puxa-Palavra | Quarta Republica | ruitavares.net | Sorumbático | Teatro Anatómico | Tempo Contado  | UmBlogSobreKleist | Voz do Deserto | 2 Dedos de Conversa  BLOGS COM AÇÚCAR NA VOZ // Alfarrabio | Leituras do Dia | Paulinho Assuncao | Farofafá | Prosa Caotica | Rafael Galvao |