Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Morada dos Dias

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

Da Auto-Estereotipização

Junho 04, 2020

O antropólogo português Miguel Vale de Almeida, escreveu há uns tempos, no seu blogue, um interessante texto sobre estereotipizações e a forma com estas podem ser auto-induzidas. A forma como os estereótipos organizam o todo social e delimitam fronteiras de conforto, é tema amplamente conhecido. A psicologia social, enquanto fenómeno, particularmente nas áreas urbanas, mas ainda assim nas áreas rurais, tem nas suas avenidas mentais um conjunto de estereótipos que servem para traças as fronteiras e os padrões de um coletivo plural. Os estereótipos, frutos das alteridades permanentes, são simultaneamente produto e produtores de sociedade.

Se as ciências sociais reconhecem os estereótipos como um fenómeno de longue durée, não é menos inesperado que a literatura esteja cheia destes modelos sociais. A grande obra de Jorge Amado viveu em torno desses papéis socialmente adquiridos e modelados. Em Jubiabá António Balduíno representa o negro malandro, sambista, que leva as "cabrochas" na sua cantiga, a título de exemplo de personagem como fator psicossocial.

O que é mais curioso do que a fundação das sociedades em torno destes tipos comportamentais é a apropriação do modelo por parte desses mesmos grupos. No espaço sociocultural afro-brasileiro, a figura do "malandro" encontra-se amplamente difundida e apropriada. Trata-se de um estereótipo construído de fora e amplificado e cristalizado no interior do seu locus de validação. No imaginário umbandista (religião brasileira por excelência), os Exús como Zé Pelintra, Bom Malandro, et. al., representam a valorização desses estereótipos.

É por isso curioso que MVA fale num estereótipo gay construído de dentro para fora. O capital cultural de um segmento social também se constrói por si e para os outros. A afirmação do Candomblé como «religião de resistência» e menos como «de adaptação» constitui precisamente um exemplo de auto-estereotipização. Dessa perspetiva, tal exercício representa um atuação política, uma ferramenta de auto-ressignificação.

Cólofon

A Morada dos Dias é um blogue de João Ferreira Dias, escrito segundo o Acordo Ortográfico, de publicação avulsa e temática livre. Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.