Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Estado dos Dias

«O dia precedente é o mestre do dia seguinte.» - Píncaro

Heróis do Mar

08
Ago22
Portugal é um país de identidade colonial. Desde a conquista de Ceuta que se virou para o além-mar em busca de oportunidades de comércio e levando a cruz de Cristo e a civilização cristã-ocidental aos povos vistos, à luz dos padrões de então, como «selvagens». De descolonização tardia e um longo período de ideologia lusotropicalista durante o Estado Novo, o processo de descolonização cultural vem sendo feito aos solavancos, entre uma arregimentar ideológico da vocação civilizadora nacional e uma demanda descolonizadora que visa rever toda a memória histórica à luz dos padrões coevos.

Entender a dificuldade em enfrentar a memória coletiva lusotropicalista passa, em grande parte, por compreender que (i) os políticos decisores desde o 25 de Abril foram, na maioria, educados no ambiente cultural e escolar lusotropicalista e (ii) que as gerações seguintes também o foram, inclusive através da música. Este artigo, de Marcos Cardão, reflecte bem o ambiente da música pop dos anos 90, com forte impacto nessa geração.