Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Morada dos Dias

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

O Guarda Abel

Fevereiro 01, 2020

As declarações de Abel Matos Santos não tiveram um contexto, como se defende. Elas não foram uma referência casual, são retrato das suas crenças. Da apologia do Salazarismo ao antissemitismo, sem esquecer que, na qualidade de Psicólogo sexologista, é um combatente da homossexualidade. É alguém que se revê mais no Chega do que na Democracia cristã. Aliás, ele mesmo já afirmou que o partido de André Ventura é um aliado. Trata-se, portanto, da contextualização portuguesa do bolsonarismo, com a apologia do regime autoritário, com o apreço por uma autoridade pública repressiva, de forte pendor anti-pluralista, de arreigada moralidade religiosa, marcada pela homofobia, a que só falta a profunda desconsideração pela cultura, mas que certamente não faltará uma ideologia de cultura estreita e unidimensional. Em suma, é o arquétipo do católico conservador, elitista, saudosista do Estado Novo, defensor da cura da homossexualidade. O grave nisto não são as suas crenças, em última análise há sempre espaço para que elas existam dentro de um limite democrático. O problema é fazer crer que a Direita é isto, e que este é o caminho da Direita, sendo que tudo o que não seja isto é tudo esquerda, é tudo nefasto.

O tal mundo rural e quem fala em seu nome

Setembro 27, 2019

A emergência do PAN, de um discurso ambientalista e de defesa dos direitos dos animais (animalista na versão radicalizada do PAN), trouxe de volta a narrativa política do «mundo rural». Idealizado pelo Estado Novo enquanto memória identitária, esse «mundo rural» marcaria o compasso da «portugalidade». Com o advento da Democracia e a consequente litoralização, o «mundo rural» foi progressivamente desaparecendo, não enquanto realidade, mas enquanto ideologia e enquanto espaço primário de sociabilidades e construção de identidade, dando lugar à cidade como paradigma moderno de geografia humana. Ora, com o regresso de uma polarização política, com os blocos a se radicalizarem, a defesa do «mundo rural» como modo de vida entrou no discurso da Direita portuguesa. O problema é que esse mundo rural é visto, não na sua diversidade, mas antes na sua uniformização identitária ideológica. Para mais, a maioria daqueles que falam em seu nome são pessoas com pouca ou nenhuma ligação ao tal «mundo rural», fazendo dele uso para combate político.