Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dias Assim

Ora bolas, senhores


10.07.21

— Ora bolas, senhores — Os casos Salgado, Berardo, Vieira, e afins, mostram que a nossa transição democrática foi excessivamente pacífica, na medida em que manteve todos os vícios anteriores de favorecimento, concentração nas elites económicas, corrupção endémica, e exacerbou o clientelismo em torno do futebol, a nova Igreja do Estado. Não há coisa mais parola do que a forma como a classe política se anima em torno do futebol.

Aventuras na Justiça


26.05.21

— Aventuras na Justiça — André Ventura foi presente a tribunal por chamar "bandidos“ a uma família do bairro da Jamaica. Foi condenado a pedir desculpas. Recusa. Engana-se quem vê na condenação uma derrota do líder do Chega. Fosse qual fosse o resultado ele ganharia sempre. Se considerado não-culpado seria sinal de que o «politicamente correto» tinha tentado silenciá-lo, mas a justiça tinha feito o seu trabalho, se culpado, como o foi, então o «politicamente correto» ganhou e a justiça faz parte do complô contra ele.

Portugal dos Pequenitos 


25.05.21

— Portugal dos Pequenitos — O espaço vai reabrir, depois de uma requalificação. Um espaço pensado dentro do paradigma do Estado Novo que precisava, além da reabilitação paisagística e dos monumentos, de uma reabilitação conceptual, ou pelo menos de um enquadramento histórico. As informações contidas nas casas das "antigas colónias" estão profundamente desactualizadas com uma linguagem aceitável, padecendo de um racismo biológico e cultural insuportável e inadequado. Uma oportunidade perdida se tal não foi feito.

Schule Schadenfreude


22.05.21

— Schule Schadenfreude — Os rankings das escolas são reflexo da ideologia do mérito, a qual não considera as assimetrias nas condições de partida. A lógica de mercado aplicada à educação e à ciência (veja-se a subjugação dos concursos da FCT ao programa de desenvolvimento da ONU) é um cancro dos nossos dias. Faltará muito para o estabelecimento do rating das escolas como sistema formal de financiamento e marginalização, em que os alunos são meros agentes económicos?

Uma sociedade debaixo da batina


22.05.21

—Uma sociedade debaixo da batina — Lady Gaga revelou ter sido violada e deixada numa esquina, com 19 anos, e que dessa violação resultou uma gravidez. As reações à notícia (de risos ao "quer é vender discos"), em Portugal, nas caixas de comentários, são reveladoras de um país cheio de gente amargurada, de má índole, que debaixo da batina do catolicismo como padrão geral de moral coletiva esconde uma psicologia social mesquinha, de maledicência e inveja endémica. Um país onde o machismo é de tal forma estruturante que as vítimas estavam sempre a pedi-las.

Tudologia no país do arraial


21.05.21

—Tudologia no país do arraial — José Gomes Ferreira é um estudo de caso interessante. Goza de respeitabilidade intocável, e tem ares de sábio em qualquer matéria, uma espécie de mestre-escola com laivos de catequista. É graças a isso que pode ser um dos tudólogos nacionais. Ora, há uma diferença entre ter opinião sobre tudo e ser uma referência científica e intelectual em todas as matérias. Por isso acho que JGF resolveu cavalgar a onda ao escrever um livro sobre a história de Portugal não contada nas escolas. Não que não goze de liberdade para o fazer, mas parece um mergulho fora de água.

A arte de ser uma fraude


18.05.21

— A arte de ser uma fraude — O partido de Le Pen é acusado de desviar 6.8 milhões de euros de fundos europeus. Não deixa de ser engraçado que um partido (como os demais da mesma matéria genética) que se apresenta como anti-corrupção e anti-europa se aproveite de fundos europeus e ainda para mais de forma indevida. Isto comprova a minha visão destes partidos populistas da nova direita, que se dizem em nome do povo e contra o sistema - na verdade estão contra o facto de não terem acesso ao sistema. O triste é o seu eleitorado não perceber que estes são vendedores de ilusões, que na verdade não estão contra a Europa, não estão pelos descamisados da globalização, nem coisa alguma, são apenas sedentos de poder, às vezes mais racistas, outras mais fascistas, mas com uma ânsia inata pelo poder, para dele fazerem uso em proveito próprio.

Preta


18.05.21

— Preta — O jornalista não se queria esquecer de quem era a deputada, por isso deixou uma nota à frente. E ainda bem que assim foi, pois foi possível seguir-lhe o rasto. Por aí há quem confunda o sentido racializado e historicamente demarcado do termo com a utilização do mesmo como cor de alimentos ou objetos. Uma inflexão típica da sacanice do racista "politicamente incorreto". E isto leva-me a algo que desaprovo: o cancelamento. Não acredito que se combatam ideias nefastas impedindo ou cancelando pessoas que as veiculam. É preciso deixá-las falar para que caiam por si, para que sejam democraticamente combatidas, e no quadro do possível impor programas de informação e combate ao racismo, à homofobia e outros preconceitos.

A política como espetáculo


14.05.21

— A política como espetáculo — chamou-me à atenção a transformação de Pablo Iglesias após abandonar o «Podemos». A queda do "rabo de cavalo" é apenas o sinal mais evidente do desmaquilhar de uma construção política de imagem muito "nouvelle époque à la gauche", i.e., o paradoxo coevo entre valores e quotidiano que se traduz numa situação de ressignificação da culpa cristã em culpa burguesa, expiada através da ação política. Se André Ventura é um ator do populismo da "nova direita", que como Groucho Marx tem valores à escolha do freguês, Iglesias era um ator da "nova esquerda", incorporando a imagem que melhor vendia ao eleitorado. A política é um espetáculo.

Aguenta, Aguenta


13.05.21

— Aguenta, Aguenta — Vai recomeçar o incentivo ao crédito por parte dos bancos, fomentando o endividamento particular. As famílias (e não só) não vão conseguir pagar os empréstimos e isso vai ter o efeito que já conhecemos, com a crise de 2008, com a falência da Lehman Brothers e o efeito de bola de neve nas economias mundiais. Seria bom que tivessem aprendido algo, como a imposição de garantias mais eficazes, mas se o modelo empréstimo igual a prémio dos gestores se mantiver vamos ter uma economia a mexer artificialmente, sempre no limbo, para depois acabarmos a ouvir "aguenta, aguenta".

Cólofon

Dias Assim é um blogue de João Ferreira Dias, escrito segundo o Acordo Ortográfico, de publicação avulsa e temática livre. Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.