Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Morada dos Dias

{ E naquela casa, que já ninguém conhecia a idade, era como se os dias não fossem dias }

Yann Moix é um cretino?

Janeiro 10, 2019

A cultura do corpo e a vitória da estética são factos sociais totais, impondo-se no quotidiano das nossas sociedades, através das séries televisivas, dos filmes, do imenso mundo da publicidade, das revistas "cor de rosa" e, claro, da indústria da moda. Ninguém está imune a essa realidade, em particular quem a rejeita, porque a rejeição implica uma consciência maior do fenómeno. Os padrões estéticas e a cultura da juventude adentram pelas nossas vidas, impondo-se como agenda cultural. Isto a propósito de Yann Moix, escritor francês, que afirmou há dias, na televisão francesa, que não seria capaz de amar uma mulher de 50 anos (a sua própria idade) e que estas se tornam, para ele, invisíveis do ponto de vista romântico-sexual. Estas afirmações tiveram um enorme impacto na sociedade francesa e foram exportadas um pouco por todo o mundo, motivando fortes reações. Sucede que Moix se limitou a dizer o que pensava e o que muitos homens (e também mulheres), geralmente em situação económica ou de poder (p. ex. Bolsonaro ou Temer, ou Madonna) praticam. Foi machismo? Não sei. Madonna namorar com rapazes com idade para serem seus filhos é só female empowerment? Convém ter presente que Yann Moix assumiu o facto como um problema e fez várias referências às suas próprias deformações de caráter. Segundo ele, nenhuma mulher de 50 anos teria paciência para ter uma relação com ele, sendo neurótico e infantil. Ora, a forma como Moix articula ambas as predisposições psicológicas parece-me de enorme coragem. Portanto, estou aqui a fazer um esforço para não mencionar as sensibilidades do politicamente correto. É por isso que não simpatizo na sua totalidade - pois faço-o em relação a parte - com o que diz Patrícia Reis. Combater o que se considera um cliché invocando outro parece-me uma má estratégia. Só faltou invocar a figura da MILF, um dos mais poderosos clichés sexuais-sociais das sociedades ocidentais.